Queda de Cabelo

Queda de cabelo! O que faz o cabelo cair?

A queda de cabelo é um processo natural que faz parte do ciclo de crescimento dos fios, e por isso, é normal que se perca de 60 a 100 fios por dia, o que é praticamente desapercebido! É claro que se você lavar o cabelo a cada 3 ou 4 dias o volume será maior, porque haverá um acumulo de cabelos soltos na sua cabeça! A queda de cabelo pode ser preocupante quando é excessiva.

O rarear dos cabelos não é em si uma doença. É na verdade um sintoma. Claro que a maioria dos carecas surge em virtude do envelhecimento e de uma predisposição hereditária. Abaixo vou listar para vocês alguns dos problemas que fazem o cabelo cair. E o último item irá abordar uns dos temas mais atuais sobre esse assunto: queda capilar X covid-19.

*Síndrome Metabólica: diabete, hipertensão, obesidade e triglicerídeos altos, doenças que lesam inclusive os vasos que irrigam o couro cabeludo, “aí o sangue não chega a região como deveria, deixando-a sem nutrição adequada”.

*Cigarro: levam a degeneração dos vasinhos, que abastecem as extremidades do corpo, nesse caso o couro cabeludo.

*Anemia: deficiência de ferro (atua na resistência dos fios).

*Problemas intestinais: zinco, cobre e proteínas, entre outros, asseguram a beleza e a firmeza dos fios. A questão é que de pouco adianta adotar alimentação balanceada se o aparelho digestivo não consegue absorver as substancias benéficas vindas da comida. Onde entra um grande vilão, as dietas radicais!

*Doença renal crônica: quando os rins deixam de filtrar o sangue.

*Sífilis: a bactéria gera feridas nos órgãos sexuais logo após invadir seu organismo, passadas algumas semanas ela pode suscitar manchas na pele e queda de cabelo.

*Micose: não gostam apenas de unhas! Se atingirem o topo da cabeça, elas podem gerar descamação que tira a oleosidade dos fios, em contrapartida no couro cabeludo deixa a área mais oleosa favorecendo a calvície.

*Ovário policístico: a testosterona (hormônio masculino) é produzido em larga escala nas mulheres que sofrem com a formação de cistos nos ovários. O excesso da substância além de favorecer a alopecia (perda de cabelo) desencadeia acne, crescimento de pelos pelo corpo, e ciclo menstrual desregulado.

*Disfunções da tireoide: se a pequena estrutura (tireoide) passa a fabricar doses elevadas dos hormônios T3 e T4, chamado de hipertireoidismo, acaba acelerando a reposição celular do couro cabeludo, o que o deixa mais exposto. Já no hipotireoidismo, a falta do T3 e T4 lentifica o metabolismo, aí há maior dificuldade dos fios se desenvolverem.

*Estresse crônico: nervosismo e ansiedade que nunca vai embora! Cria-se uma bagunça hormonal que prejudica a integridade dos fios.

*Doenças autoimunes: agressão das células de defesa contra o próprio organismo, ocorre que essa invertida alastra processos inflamatórios com potencial de machucar o couro cabeludo.

*Uso de produtos químicos: podem agredir os fios, favorecendo a queda.

Efeitos da covid-19: queda de cabelo afeta 1 em 4 infectados.

Sintoma associado, que estima-se aparecer em 24% dos pacientes com a covid-19 persistente (ou covid longa), que é uma condição de saúde que dura semanas ou meses depois do início da infecção pelo novo corona vírus. Há pelo menos 7 estudos acadêmicos que abordam a ligação entre essa queda de cabelo acentuada a covid-19, mas as causas, a duração e o tratamento ainda não estão muito claros. Estima-se que a covid longa esteja associada a duas formas de queda de cabelo acentuada já conhecidas da medicina: o eflúvio telógeno e a alopecia areata.

O que se acredita até agora é que o corona vírus faça parte do grupo de doenças “efluvio”, que está ligada a queda capilar acentuada, meses depois de doenças infecciosas. Em geral os pacientes relatam que a queda dos fios começa a cair em volume bem maior do que o normal em torno de 2 ou 3 meses depois da infecção. E meses depois ele se recupera espontaneamente, sem tratamento.

No momento não se tem uma ideia clara do que está acontecendo, se o corona vírus serve de gatilho para quem já tem predisposição genética a desenvolver alopecia, ou se está ligado a algum fator desconhecido, ou stress em torno da covid-19.  É importante deixar claro que cabe a médicos dermatologistas (especializados ou não em cabelos, os tricologistas) diagnosticarem essa condição de saúde e prescreverem tratamentos.

É isso aí pessoal! Deixei aqui um pouquinho do meu conhecimento sobre o assunto, o tema é muito grande e diversificado, mas já da para se ter uma ideia de qual caminho seguir. Assim que possível eu volto com esse assunto, e quem sabe até com os estudos relacionados a covid-19 mais esclarecidos.

Até a proxima!

Mayara Cristina.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *